sábado, 30 de julho de 2011

Nintendo 64




Ficha Técnica:
Console: Nintendo 64
Desenvolvedora: Nintendo
Países onde foi lançado: Japão (23/06/1996); EUA (29/09/1996); Brasil e Europa
Processador: 64 bits
Velocidade de Clock: 93,75 MHz
Resolução: entre 256x224 e 640x480
Número de Polígonos por Segundo: 800 mil
Mídia: Cartuchos

História e Inovações

Terceiro console doméstico da Nintendo. Foi anunciado em 1993 como o Projeto Reality tendo seu nome anunciado como Nintendo Ultra 64 em 95 e finalmente para apenas Nintendo 64 em 1996, ano de seu lançamento.
Veio para concorrer com os já lançados Playstation e Saturn e colocar a Nintendo na briga de novas gerações de consoles. Porém com uma diferença brutal e muito significativa para o futuro do console: o Nintendo 64 não usaria Cd’s como seus concorrentes e sim cartuchos.
A decisão, claro, foi polêmica, a Nintendo estaria nadando contra a maré, indo em direção contrária as novas tendências já apresentadas no 3DO e melhoradas no Playstation e Saturn. Em defesa própria dizia que a tecnologia dos jogos em CD ainda não tinha avançado o suficiente para ser utilizada como mídia, o cartucho não apresentava loads, tinha uma durabilidade maior que o CD e era mais difícil de ser copiado e pirateado, além da possibilidade de carregar dentro de si chips com funções específicas, algo impossível em outras mídias. Nessas questões a Nintendo estava certa, por outro lado, o cartucho tinha um custo de produção maior, encarecendo o produto final; sua capacidade menor de armazenamento impossibilitava usar e abusar de sons e vídeos, reduzindo quase a zero os diálogos e as famosas CG’s apresentadas nos consoles concorrentes.
Porém as diferenças e inovações principais estariam no controle: logo de cara notava-se que o console vinha com 4 entradas para controles, permitindo disputas de 4 jogadores simultâneos sem o uso de adaptadores; a presença de um “gatilho”, o botão Z e uma alavanca analógica (além do direcional normal em forma de cruz). Esse direcional analógico permitia que o personagem andasse mais rápido, mais devagar ou corresse, tudo isso apenas com a diferença de força empregada no próprio. Além disso, essa combinação gatilho, controle analógico, permitia que se controlasse, em um jogo de corrida, aceleração e movimento dos carros com apenas uma mão. Outro fator importante na inovação do controle diz respeito a um acessório chamado Rumble Pak, que oferecia vibração no controle de acordo com as ações no jogo. Ainda me lembro como fiquei maravilhado a primeira vez que o usei quando joguei Star Fox! Para que se perceba como essas características foram importantes para a indústria basta dar uma olhada nos controles pós Nintendo 64...
Em termos de vendas, o Nintendo 64 fez um sucesso apenas relativo no Japão, ficou atrás do Playstation e do Sega Saturn, ficou em segundo lugar na América do Norte (Nos Estados Unidos o primeiro carregamento de consoles, cerca de 350.000 unidade, foi vendido em apenas 3 dias!). Em termos mundiais vendeu cerca de 32 milhões de unidades, atrás do Playstation que vendeu cerca de 102 milhões de unidades e a frente do Saturn que vendeu cerca de 8 milhões de unidades. No Brasil o Nintendo 64 foi lançado pela Gradiente

Os Jogos

Nenhum console sobrevive por muito tempo sem bons jogos, claro. O Nintendo 64 teve aproximadamente 600 jogos lançados e sustentou-se basicamente com os excelentes jogos lançados pela dupla Nintendo e Rare.
Mas logo em seu primeiro jogo, ditou as novas regras dos jogos em 3D: Super Mario 64, um marco na história dos videogames, usando e abusando das possibilidades da alavanca analógica do controle e mostrando ao mundo como transportar um jogo originalmente 2D para o ambiente 3D sem perder a qualidade. Seguem abaixo alguns jogos de sucesso para o Nintendo 64:
Super Mario 64: dispensa apresentações
Star Fox 64: Primeiro jogo em que experimentei o Rumble Pak
Top Gear Overdrive: Um dos jogos de corrida que mais joguei
Wave Race 64: um dos primeiros jogos lançados, impressionava pelos efeitos na água
Zelda Ocarina of Time: Um dos melhores jogos de todos os tempos, sem dúvida
Zelda Majora’s Mask: Outro maravilhoso Zelda para o N64
Shadowman 64: Tá bom, talvez não tenha sido tão bom assim, mas adorava esse rsrs

A Rare

Seria injustiça falar do Nintendo 64 sem mencionar a Rare, responsável por muitos de seus maiores clássicos.
A Rareware foi fundada em 1983 pelos irmãos Tim e Chris Stamper e foi parceira da Nintendo durante muito tempo, tendo lançado jogos para NES, SNES, Nintendo 64 e Game Cube. Seus jogos eram famosos pela qualidade e por utilizarem recursos gráficos de ponta, como em Donkey Kong Country para Snes, quando desenvolveu a tecnologia conhecida como Advanced Computer Modeling. Esse jogo além de trazer de volta um dos personagens ícones da Nintendo, impressionou tanto os executivos da Nintendo que, estes, compraram 25% da empresa e a transformaram numa Second Party, desenvolvendo jogos exclusivamente para consoles Nintendo.
No Nintendo 64 lançou cerca de 11 jogos e revolucionou o mercado de jogos de tiro em primeira pessoa para consoles com o lançamento de 007 GoldenEye. Eis alguns excelentes jogos:
Goldeneye: dispensa apresentações
Jet Force Gemini: Jogo de tiro em 3ª pessoa
Banjo Kazooie e Banjo Tooie: Excelentes jogos nos moldes de Mario 64
Conker’s Bad Fur Day: Talvez o jogo que melhor mostre a irreverência da Rare, divertido, engraçado e recheado de paródias. Como não rir com a menção a Exterminador do Futuro no 1º chefe do jogo?
Donkey Kong 64: Versão 3D do clássico, impossível esquecer a musiquinha da abertura! Me diverti a beça com esse jogo

Opinião

Seria impossível ser imparcial nesta parte, o N64 foi um dos meus consoles preferidos (o 12º console mais vendido do mundo) e passei horas (pra não dizer dias rsrs) jogando. Possui alguns dos maiores clássicos da história dos games como Super Mario 64 e The Legend of Zelda: Ocarina of Time.
Infelizmente pagou o preço pela decisão equivocada da Nintendo em utilizar cartuchos em vez de CD, o que acabou afastando muitas softhouses importantes, inclusive antigas parceiras como a Square, que estavam encantadas com as novas possibilidades proporcionadas pelo uso do CD. Além disso, teve poucos RPG’s em seu repertório, fato que desagradou o mercado japonês.
Porém teve muitos aspectos positivos, como as inovações no controle, o uso do Rumble Pak, o surgimento de novas franquias como Mario Party, por exemplo. Algumas curiosidades como o Expansion Pak, usado para expandir a memória em 4 MB e melhorar a resolução de alguns jogos e o 64 DD (Dynamic Drive), um tipo de expansão que permitia ao console ler e gravar discos magnéticos,um fracasso total!
Finalizando, me diverti e joguei muito o Nintendo 64, estará sempre entre os meus preferidos, porém algo sempre me vem à mente: como seriam seus jogos, e sua história, se ele tivesse usado CD em vez de cartucho?
É uma pergunta para a qual jamais teremos resposta.
Fontes: wikipedia; www. gamefaqs.com; www.i16ganes.com; www.officialnintendomagazine.co.uk; www.classicgaming.com.br

terça-feira, 26 de julho de 2011

Análise: Dragon force (SAT)


Em 1996 era disponibilizado para o Saturno nos Estados Unidos um dos melhores games de estratégia/RPG de todos os tempos. Seu nome Dragon force.
Criado pela Sega em parceria com a Working Designs o jogo conta a historia de 8 monarcas que unem as suas forças para vencer o “ Deus da destruição” Madruk, que foi aprisionado centenas de anos atrás pelo Dragão da Luz. Mas o destaque do enredo não está nesta batalha, e sim na individualidade de cada monarca e nas diferenças de enredo de cada um deles.
Inicialmente temos apenas 6 monarcas a disposição para a escolha, cada um com o seu próprio enredo, nível de dificuldade e bandeira. Após o termino do jogo os dois monarcas restantes também ficarão disponíveis.
Cada imperador inicia com cinco generais, cada general tem um determinado numero de tropas a disposição (podendo chegar até 100), também será disponibilizado um ou dois castelos dependendo do monarca escolhido. O objetivo do game é unificar totalmente o território de Legendra, para isso será necessário fazer alianças com outros monarcas e ter uma boa administração do seu reino.
Na parte administrativa será necessário fortificar seus domínios, sair em busca de novos itens e generais, tratar as desavenças que podem acontecer entre seus comandados e distribuir premiações para os vencedores de batalhas. Está parte é a mais complicada do game, pois em cada momento você terá que escolher o que é mais importante para o seu reino. Buscar novos companheiros ou fortificar os castelos? Premiar este ou aquele general? Equipar um general fiel ou fortalecer os laços com um descontente?
No mapa do jogo existem diversos castelos com rotas determinadas entre eles, para agregar um novo território ao seu reino é necessário que vença todos os generais de um castelo inimigo. Depois disso os generais serão levados como reféns e você poderá futuramente tentar convencê-los a mudar para o seu lado. Mas sempre mantenha o cuidado. Você também poderá ser atacado por outros reinos a qualquer momento! E caso seu monarca morra em batalha é game over.


Falando em batalhas cada general poderá ter a disposição até 100 tropas, que poderão ser arrumadas de acordo com determinadas formações, cada formação terá vantagem e desvantagem sobre outra, e será você o responsável em escolher a que melhor se adéqua.


As tropas são dividias em classes como magos, zumbis, samurais, dragões entre outras. Cada classe terá vantagem sobre outra classe, como por exemplo: magos tem vantagem contra harpias, que por sua vez tem vantagem contra soldados, etc. Da mesma forma que acontece com a formação é necessário cautela na hora da escolha de tropas, uma escolha errada poderá resultar em derrota ou até mesmo fim de jogo. 
Os gráficos do game são primorosos, mostrando que o Saturno foi um dos melhores consoles para games 2D. Em alguns momentos são mais de 200 personagens na tela sem nenhuma lentidão ou perda de definição, simplesmente fantástico! O som também é ótimo, com musicas e vozes que combinam perfeitamente com o clima do jogo.
Finalizando Dragon Force é um dos melhores games de RPG/estratégia já lançado, não perdendo em nada para jogos como Final Fantasy Tactics ou seu companheiro de Saturno, Shining Force. È uma pena que sua continuação ficou restrita ao território japonês!

Curiosidades 

  •    Existem 4 personagens secretos no jogo!
  •     O único monarca que poderá ter todos os generais é Reinhart.
  •   O game está na 21º colocação a frente de FF Tactics na eleição dos 100 melhores jogos de todos os tempos feita pela revista EGM.

             
  •  A antiga revista Gamers mal falou de Dragon Force, este só obteve uma pequena analise na seção Flash Game com notas medianas. Porém após um tempo a mesma revista passou a considerá-lo como referencia em games de estratégia, com citações em outras matérias, como é o caso da analise do jogo para Dreamcast, Langrisser. Incoerente não acha?
  •   O game faz parte da coleção Sega Ages lançada para Ps2 no Japão.



Nota: 95/100