terça-feira, 13 de setembro de 2011

Análise: Bolt (PS2)


Estava eu em casa procurando um game para jogar, quando de repente me aparece este jogado lá no fundo da gaveta. Já tinha me esquecido da existência deste game, comprado pela minha irmã que também nunca o jogou. O preconceito falava mais forte, porem resolvi arriscar o que no fim acabou gerando esta analise.
Para quem não sabe Bolt é uma animação lançada pelos estúdios Disney que conta a historia de um cachorrinho branco protagonista de um programa de TV. Bolt viveu toda a sua vida dentro do estúdio e blá,blá,blá... Nosso foco é falar sobre o game e não sobre o filme então para quem quiser saber um pouco mais basta ir a uma locadora e se divertir com as aventuras de Bolt.
 Falando no game temos acesso a dois personagens distintos, o próprio Bolt e sua dona Penny, que passam o jogo todo tentando impedir as maldades do vilão e as tentativas de dominar o mundo (hahahahahah!).


Cada personagem tem uma jogablidade diferente: com Bolt somos apresentados a um hack and slash no estilo God of War, com uma temática bem infantil (claro o público do game são as crianças!) e uma mecânica de jogo horrorosa. È com Bolt que encontramos o primeiro problema: não é nada divertido! A única coisa que você ira fazer é andar pelos cenários lutando sempre com os mesmos inimigos, quando digo sempre quer dizer sempre mesmo! Só percebi uma ou duas variações ao longo do game todo! Pelo menos o jogo é fácil, e caso morra não fará nunca game over.
Agora controlando Penny temos um bom jogo, com uma jogabilidade parecida com a de Prince of Persia e algumas pitadas de espionagem, isso, claro, com uma temática bem infantil e com alguns problemas. O principal destes problemas é a falta de liberdade, você estará rodeado de paredes invisíveis durante todo o tempo restringindo muito a movimentação da personagem, outro está na facilidade, durante todos os estágios de Penny enfrentei apenas um Chefe, vencido facilmente. A facilidade com Bolt é um defeito, mas com Penny é uma falha, pois com ela é legal de se jogar!


Mas em minha opinião o grande destaque do jogo está em um simples evento: todas as vezes que  Penny precisa desarmar um sistema de segurança somos brindados com um mini-game! Neste mini-game controlamos uma espécie de nave em um cenário plano (como uma mesa de bilhar), podemos atirar para todos os lados com o analógico direito enquanto controlamos a nave com o esquerdo fugindo dos tiros inimigos, é extremamente desafiante e divertido!
Graficamente temos um jogo simples, que em muitos momentos irá lembrar um game de Ps1 por tamanha simplicidade, mas que cumpre a sua função. Na parte sonora acontece outra falha: a falta de qualidade. Como já disse antes nunca me liguei muito em som de jogos, contanto que não incomodassem estava bom, mas em Bolt o som incomoda! As musicas são irritantes e muitas vezes desaparecem do nada, os efeitos parecem os piores dos 16 bits, uma lastima! Quer um conselho? Quando seu filho ou você estiver jogando, desligue o som e coloque uma musica, é muito melhor!
Finalizando, Bolt não é um jogo ruim, tem seus defeitos (o protagonistas) e suas qualidades (Penny). Compre para o seu filho, irmão menor ou sobrinho e jogue quando ninguém estiver vendo!  
Segue um videozinho!




Nota: 55/100