segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Xenogears (PS1)




 

Lançado em 1998 pela Square para PS1, Xenogears teve grande repercussão na época. Para quem se lembra a antiga revista Gamers fez várias reportagens e dedicou muitas paginas ao game.
Xenogears conta a historia de Fei Fong Wong, habitante do continente Ignas que vive há vários anos uma guerra entre duas potencias: Aveh e Kislev. No decorrer do game temos a inserção de vários personagens, como Elly, Citan, Billy e alguns outros. A historia se desenvolve de maneira extraordinária, sendo, sem duvida, o principal destaque de Xenogears! Temas polêmicos como religião e existencialismo serão de grande importância no decorrer do enredo.
Os gráficos do jogo são sólidos, não sendo nem muito bonitos nem feios ao extremo (para a época), mesclando bem gráficos poligonais com sprites, com os personagens sendo feitos em 2d e os cenários poligonais, assim como Grandia, mas diferente deste ultimo os sprite de Xenogears foram feitos em baixíssima resolução, causando a impressão de serem “estourados”, o que acaba diminuindo a qualidade do titulo neste quesito.Nas batalhas com “Gears” (robôs gigantes) os gráficos são quase que exclusivamente poligonais, com uma qualidade bem aceitável tratando-se de um game de PS1.
Falando em Gears eles são um grande destaque do game! Com um designer muito bem feito, chamam a atenção ao primeiro olhar, a seqüência onde Weltall (Gear de Fei) aparece em batalha pela primeira vez é marcante.

 
A jogabilidade de Xenogears é bem divertida, com os momentos de exploração sendo essenciais como em todo JRPG e as batalhas constantes. Nas batalhas você terá a disposição os botões quadrado, bola, triangulo e xis, cada um desempenhando uma ação do personagem, como soco ou chute, determinadas combinações geram golpes especiais e futuramente combos, que tiram mais HP dos inimigos. A aprendizagem destes golpes especiais depende do level em que seu personagem se encontra e o numero de vezes em que cada botão foi usado em batalha. Cada golpe especial aprendido com o personagem vale (na maioria dos casos) também para o seu Gear.
Um dos grandes problemas da jogabilidade está no fato de os Gears não aumentarem de level, sendo que para acontecer uma melhora nos seus atributos é necessário a compra de novas peças, ou seja, mesmo que seu personagem esteja no nível 70, caso seu gear não tenha as melhores peças ele será facilmente derrotado. Isso atrapalha muito o jogo, pois as peças dos Gears são caras forçando o jogador a ficar acumulando dinheiro (principalmente próximo ao fim do game) para comprar novas peças.
Outro ponto a ser destacado é sobre o 2º CD, nele existe pouca interação do jogador com o próprio game, se resumindo na maior parte do tempo a ler diálogos e historias contadas pelos próprios personagens, ao invés de vivenciá-las! Não posso dizer que esse é um ponto negativo (eu, por exemplo, gostei desse formato), mas alguns jogadores menos pacientes com certeza vão se decepcionar.
O som de Xenogears é muito bom! As composições são de extrema qualidade, principalmente nas cenas em anime ou em computação gráfica.
Finalizando
Xenogears é um grande jogo, o enredo é épico, um dos melhores já encontrados no mundo dos games (principalmente levando-se em consideração a época em que foi criado), mesmo hoje em dia você pode encontrar vários sites falando apenas sobre a “filosofia” de Xenogears. Alguns problemas de execução tiram um pouco do brilho do jogo, mas, mesmo assim ele ainda continua sendo um dos melhores RPGs do PS1 e olha que disputar com Final Fantasy, Grandia, Lunar e Vagrant Story não é nada fácil!
Obs.: O game pode ser encontrado facilmente em português para download. Graças aos grandes guerreiros responsáveis por traduções para o nosso idioma de forma independente.


Nota: 94/100